quarta-feira, setembro 14, 2005

Porque os escritores desconhecidos também merecem ser lidos aqui vai de I. Silveiradedicado a alguém, a quem estas palavras tenham sentido.


Procuro uma mulher
Que sempre usou cabelo comprido
E agora usa curto
Ou será que agora tem comprido?
E sempre foi curto!
Procuro uma mulher
que sempre usou mini-saia
e que agora usa saia comprida
ou será o contrário?
Ou nada disso?
sempre usou calças
E agora usa saia!
Procuro uma mulher
que foge do seu destino.
ou será o destino
que foge dela própria!
Procuro uma mulher
que quer fugir sem sentido
sem saber onde é o porto de abrigo.
Procuro uma mulher
que agora usa cores,
que nunca usou e sempre detestou.
Procuro uma mulher
que está fugindo de si própria
sem saber porque foge fugindo.
Procuro uma mulher
que se sente cansada,
Encontrei a mulher que tanto fugia.
É forte como um touro
capaz de pegar a vida pelos cornos da vida
com uma sensibilidade enorme
frágil no seu coração
capaz de se desfazer em lágrimas por dentro
mas sempre a espernear por fora.

I. Silveira

3 comentários:

kaldinhas disse...

Não conhecia este escritor.O poema é bonito,no fundo o que ele procura,é uma mulher normal.Como tantas outras.
Beijinhos e linda imagem que colocaste junto ao poema.

anna disse...

Gostei muito de teu post sobre as gordinhas.
Acho que na verda engordamos mesmo e por que nos movimentamos de menos.
Mas e normal que comos anos se pese mais que quando se era mais jovem,ate 10 quilos a mais e aceitavel.
seu blog e mto legal.
abracos
Anna

Regina disse...

Querida Aldora! Por favor coloque sua mão direita no seu ombro esquerdo, agora a mão esquerda no ombro diretito e.... Uuuuuuuuuuuuta!! Sentiu amiga? É o meu abraço bem apertadinho pra vc. Te gosto muito, viu? Tenha um lindo dia!
Regina