quarta-feira, julho 27, 2005


Hoje vou ter mais atenção na escrita, pois a ânsia de ver a página com as fotos ou bonecos editados nem tenho dado pelo Português menos correcto.

Esta semana vou ter a visita do D. Vasco, irmão do Guilherme que já tem 6 anos e o Vasco faz precisamente na sexta-feira anos 4 o mais novo fez 1 ano.
São todos filhos da minha irmã Diana é a mais nova .
A Diana tem um espirito muito aberto é divertida e muito alegre.
Tenho mais duas irmãs e um irmão; sobrinhos tenho 5 mas só três, os da Diana vivem em Portugal os outros dois vivem no Rio de Janeiro.

Por hoje tenho que terminar mas agradeço ao S. Pedro a chuva que caío hoje pois toda a chuva é bem vinda com a seca que o nosso país atravessa a pesar de ser aborrecido para quem começa agora as férias grandes.

segunda-feira, julho 25, 2005



Hoje é um novo dia, estou aprendendo a trabalhar no blog, pois isto é uma novidade e ainda não sei como colocar as imagens, nem sei se estão bem. para a semana, vou ter comigo o meu sobrinho do meio, o Vasco, por isso vou ter menos tempo para vir ao computador. Vou colocar um texto que achei bonito.

O LAÇO E O ABRAÇO
"Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço..Uma fita dando
voltas. Enrosca-se, mas não se embola, vira, revira, circula e pronto:
está dado o laço. É assim que é o abraço: coração com coração, tudo
isso cercado de braço. E quando puxo uma ponta, o que é que acontece?
Vai escorregando..devargazinho, desmancha, desfaz o abraço. Solta o
presente, o cabelo, fica solto o vestido.
E na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço.
Ah! Então é assim o amor, a amizade. Tudo que é sentimento? Como um
pedaço de fita? Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a
qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.
Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga, então se diz - romperam-se os laços.
E saem as duas partes, igual meus pedaços de fita, sem perder nenhum
pedaço. Então o amor é isso...
Não prende, não escraviza, não aperta, não sufoca. Porque quando vira nó,
já deixou de ser um laço."
(desconheço o autor)