sexta-feira, setembro 23, 2005

Curitiba



Mamãe e filhotes
de mico-leão-de-cara-dourada,
em cativeiro, no Passeio Público.
O mico-leão-de-cara-dourada
é uma espécie de primata
brasileiro ameaçada de extinção.
Chegou mesmo a ser considerada
extinta por um tempo
Alguns anos atrás, surpreendentemente,
alguns exemplares foram
encontrados numa reserva
de Mata Atlântica do sul da Bahia.
(foto M. Cheli, Pref. de Curitiba)


Resolvi tentar, pelo menos todas as semanas, um dia pelo menos ser dedicado a terra onde vivem, uma das pessoas que comentaram no meu blog. Para isso vou ver junto da net, o que achar importante divulgar dessa terra. Espero que agrade a ideia, pois todos os lugares são mágicos por vezes nós é que não nos apercebemos disso.
Hoje começo por Curitiba que fica no Brasil, e é a terra onde vai casar a Carla neste sábado.
Curitiba é capital do estado de Paraná, o estado de Paraná fica a sul do Brasil abaixo do Estado de são Paulo próximo de Paraguai e da Argentina.
Uma das metrópoles brasileiras mais prósperas, organizadas e com melhor qualidade de vida. Curitiba é exemplo mundial em soluções de urbanismo, educação e meio ambiente.
As coisas que vou dar destaque são as que achei mais bonitas pessoalmente. Coloco mais fotos que textos para ver mais consultem a net. Isto é só uma Homenagem a cada lugar bonito das blogueirinhas que me visitam. Peço que me corrijam se disser alguma coisa errado sobres estes lugares, certamente muitos deles, nunca hei-de conhecer pessoalmente, mas por fotos já ajuda a conhece-los e isso que quero partilhar com todos que me visitam.

foto do Bosque João Paulo II
Inaugurado em 1980,
logo após a visita do papa
João Paulo II (1920-2005),
Interior de uma casa tradicional
de imigrantes poloneses,
em exposições no Bosque do Papa.

Foto da Igreja da Paróquia do Senhor Bom Jesus Cabral (Igreja onde casa a Carla)

Foto do Memorial onde se fazem Exposições da cidade.

foto de baixo o Museu Oscar Niemeyer, o mais novo museu de Curitiba em forma de olhodo Arquitecto do mesmo.

A minha terra está no dia 15 de Setembro se quiserem consultar

quinta-feira, setembro 22, 2005




Image hosted by Photobucket.comHoje vou divulgar que tive conhecimento,
que no próximo dia 3 de Outubro, Portugal estará na rota de um eclipse do Sol anular. Não se esqueçam das habituais precauções, tenham cuidado com os olhos!!! No Minho e Trás-os-Montes...,Braga - começo 8,38 h. - Maior fase 9,54h. - Fim 11,17 h. - Grandeza: 0,93 (Diâmetro do Sol) Lisboa- começo 8,38 h. - Maior Fase 9,53h. - Fim 11,17h. - Grandeza: 0,87 Em Lisboa estas irão ser estas as diversas fases do eclipse que terá início às 08h45 sensivelmente e terminará cerca das 11h15. O pico de "escuridão" será pelas 09h53, com cerca de 81% de diminuição de visibilidade:Para ver mais é aceder ao site: http://www.oal.ul.pt/oobservatorio/vol11/n7/pagina4.html#noticia1

Agora vou dormir, já vai ficando tarde, até a manhã .

terça-feira, setembro 20, 2005

Gostaria que conhececem o blog da Carla, que acho uma história de amor muito bonita, se poderem vão até lá e deixem um beijinho, a ela e ao lobão dela http://www.lobaoeprincesa.blogger.com.br/




Voar Sempre...
Passamos uma vida presos,
qual pássaros em suas gaiolas!

Medo de amar, de olhar a vida de frente...
E, naquele pequeno espaço,
cantamos nossas dores e sonhos!
Muitas vezes, as portas de nossas gaiolas se abrem...
Mas permanecemos ali, acostumados,
encolhidos as nossas vontades e sonhos!
Não tenha dúvida amigo,
à primeira oportunidade,
deve alçar o vôo dos falcões,
calma, confiante, determinada!
Ame sem medo,
brinque um pouco com a vida !
Não tenha medo dos rochedos e
sobre eles,estenda a sua asa
corajosa de falcões!
Solte-se ao vento,
e deixe-na,levá-la ao sonho!
Como o Condor,
(desconheço autor)

segunda-feira, setembro 19, 2005

"Mesmo o menor dos felinos é uma obra de arte" Leonardo da Vinci "





Como começou o meu amor por gatos?não sei

acho que quando nasci já os gatos estavam à minha espera.
Quando vim ao mundo a minha tia e madrinha, tinha uma gata chamada boneca, era siamesa, super inteligente fazia xixi sempre em equilíbrio na sanita e esperava que ninguém estivesse a ver, eu lembro-me de ir ás escondidas ver a gata a fazer xixi. A minha madrinha vivia num quarto andar de um prédio, o soalho era em madeira e todas as semanas era super encerado, um dia a gata vinha a correr pelo corredor fora com uma barriga enorme, não travou a tempo, atravessou o quarto no seguimento do corredor, e terminou estatelada no meio da rua. Naquele tempo as varandas eram cheias de retorcidos em ferro, ela passou debaixo deles e caiu do 4º piso, lembro-me que a minha tia ficou muito chorosa e cheia de medo que os filhotes tivessem morrido, pois a gatinha estava grávida, felizmente nasceram todos bem e um deles ficou para mim. O Mignhon, era o meu gatinho siamês que eu passeava na rua, como um cãozinho, pois andava sempre de trela para todo o lado. Um dia foi a tribunal porque arranhou a porteira do prédio onde vivíamos, o juiz colocou-o em cima da mesa do tribunal, para analisar a ferocidade do animal, mas ele nem de propósito, fez tantas festas ao juiz, que a minha mãe ficou livre de problemas e o juiz em tribunal ditou a sentença, que o animal para ter arranhado a senhora, alguma coisa ela lhe deve ter feito. Pouco tempo depois ele desapareceu da entrada da minha casa, nunca mais foi visto, eu estava a jantar e ouvi um gato a miar muito aflito, mas a minha mãe pensava que eu estava só a distraía-la e não ligou. Como a procura do Mignhon foi tão grande, passados uns dias apareceu um gatinho preto a nossa porta abandonado, escusado será dizer que ficou logo em nossa casa, e demos-lhe o nome de Talismã. Foi a minha grande companhia durante uns anos, eu na altura teria sete anos, fui separada da minha mãe e da minha família, só quem me acompanhou sempre foi o Talismã, pelas várias casas das várias tias por onde fui passando, o Talismã foi me acompanhando, acabando a viver comigo na casa de uma tia que me deixava ele dormisse dormir comigo, o que me dava muito prazer, ele tinha só um defeito, mamava nos cobertores, fazendo assim maminhas no cobertor e levando a que a minha tia tivesse que ter sempre aquele cobertor a fazer de colcha para ele de noite mamar nele, de manhã era muito giro, ver o cobertor todo cheio de pompomzinhos.

Penso que ele foi muito feliz como gato, vivia na província podia passar o tempo por cima dos telhados, dormindo ao sol e à noite vinha sempre para o quentinho de casa, com o seu trauma de mamar no cobertor, talvez tivesse sido separado da mãe cedo de mais, tal como eu.
Foi um bom amigo, até que um dia, sendo já um gato muito sabido desapareceu. A minha tia consolava-me dizendo que ele tinha arranjado uma gatinha e certamente tinha ido viver com ela, eu foi me conformando até que por entre dentes das vizinhas percebi que alguma coisa devia ter acontecido, mas tentava não querer saber mais, a ideia dele ir viver com uma gatinha era mais giro. Ainda hoje a minha tia me diz olha que foi ele que fugiu e foi atropelado, nós não podemos fazer nada, ela ainda tem receio que eu pense que ela teve alguma coisa a ver com o desaparecimento do Talismã.

Até hoje, tenho vivido sempre acompanhada de gatos, de vez em quando tenho um desgosto, mas sei que a vida é assim, nascem e morrem como tudo o que está vivo. Uns deixam mais recordações que outros e ficam mais na minha memória, outros por um motivo ou outro, não me trazem tantas recordações, mas nenhum ficou esquecido. Neste momento tenho quatro gatas e um gatinho.

domingo, setembro 18, 2005


curiosidades
Plantas também sofrem de insolação
Cientistas do Instituto Friedrich Miescher, na Suíça, descobriram que as plantas também sofrem de insolação. Segundo a equipe, raios ultravioleta danificam o DNA, interrompendo o crescimento.
Grandes cidades causam tempestades
Estudo realizado por pesquisadores da Nasa (agência espacial dos EUA) mostra que as grandes cidades fazem mais do que aquecer a atmosfera, provocando as chamadas "ilhas de calor". O efeito, segundo eles, também é capaz de induzir tempestades.
Batata e Cronômetro
As batatas já foram um dia usadas como cronômetro. Para calcular intervalos de tempo, os antigos incas que habitavam o Perú usavam como parâmetro o tempo gasto para cozinhá-las. Além disso, acreditavam que as batatas possuíam qualidades medicinais: usavam as rodelas cruas para cobrir fraturas e incluíam o tubérculo nas refeições para evitar problemas digestivos e artrite.