sexta-feira, janeiro 27, 2006


Este gatinho foi oferta da Claudia
Eu hoje gostava de dizer que tenho recebido imensos comentários carinhosos, alguns dizem mesmo quando me vens visitar?! ou a tanto tempo a tua espera, só que tenho um problemazinho, tenho que arranjar uma bola de cristal, porque não deixam o endereço do blog, certos comentários nem nome tem, não sei mesmo como posso fazer, para agradecer, só desta forma caso hoje estejam a ver esta postagem. Quero também informar na postagem anterior ao aniversário do meu casamento, eu fiz forte asneirada, e deitei fora sem querer os comentários mas como tenho muito respeito pelo vosso carinho através, dos e-mail tive eu a coloca-los um a um por isso não tem link. Espero não volta inventar novo disparate.

Hoje coloco o rio da minha aldeia porque sempre que atravesso o Tejo me lembro deste poema, o Tejo é o rio da minha aldeia. Ando a muito tempo para fazer umas fotos dos cacilheiros antes que todos desapareçam e sejam substituídos.




O tejo o mais belo
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

Alberto Caeiro

Os salva-vidas aquáticos

Os golfinhos nunca deixam companheiros feridos para trás. Quando algum deles se magoa, e corre o risco de morrer afogado por não poder emergir para respirar, dois outros aproximam-se, ficando um de cada lado, para levá-lo junto. Enquanto levam o amigo, os golfinhos precisam fazer algumas paradas para tomar fôlego, pois ficam permanentemente embaixo de água durante o transporte, então largam o paciente e sobem à superfície por alguns momentos. Acredita-se ainda que os membros de um grupo revezam-se no transporte do ferido. Graças a esse comportamento, muitas pessoas, normalmente banhistas e surfistas, já foram salvos de afogamentos por esses mamíferos samaritanos.




Já que estamos a falar de rio e de mar recebi este pedido passo a transcrever
CONVIDO VOCÊS A PUBLICA, EM SEUS BLOGS, UMA NOTA SOBRE ESSE REPORTAGEM...E SE PUDEREM REPASSEM PARA OS AMIGOS.....VAMOS LEVAR LONGE ESSE GRITO EM DEFESA DA VIDA.

S.O.S. BALEIAS ... ajudem a divulgar
http://mundoanimal2.blogspot.com

em parceria com http://ameanatureza.blogs.sapo.pt

veja a reportagem e o vídeo no http://oceans.greenpeace.org/pt/expedicao/news/e-a-sua-vez-de-salvar-as-balei



<

quarta-feira, janeiro 25, 2006


Aniversário de casamento
na verdade faço 31 anos de casada



Colocar a aliança na mão direita e, depois entrar na igreja de véu e grinalda é sonho da maioria das mulheres. Viver feliz para sempre com o amado, é o objectivo delas, mesmo que seja necessário inverter toda essa ordem tradicional. Começo por transcrever um texto encontrado na net, e isto para dizer que eu há 31 anos fui um pouco diferente ao casar. Primeiro fui marcar na conservatória a data do casamento, era para ser em Dezembro, mas não havia vagas e acabou por ficar marcado para Janeiro dia 25, era o sábado livre que havia na conservatória. Na altura tinha 20 anos e a maioridade para casar era aos 21 anos, por isso tive primeiro que me emancipar para poder casar, assim fiz. Depois pensava que casar era só ir lá e assinar papeis, por isso no dia do meu casamento vesti roupa nova, mas normal, uma saia azul escura de lã em forma de godés como se usava na altura, uma camisola azul clara de lã, convenci o meu marido a levar um casaco jaquetão como se chamava aos quadrados e lá fomos, avisaram-nos que tínhamos que levar testemunhas que eram os padrinhos, o meu marido falou com uns vizinhos que no próprio dia disseram que não podiam ir, aí ficamos sem padrinhos da parte dele, então como o meu pai e a minha madrasta também ia, foi madrinha do meu marido e o meu sogro foi meu padrinho. No dia do casamento cheguei às escadas da conservatória e estava um noiva vestida a rigor, com o fotografo a tirar fotos nem me queriam deixar passar para ir casar, uma vez que interrompia as fotos deles, aí eu gritei, “tenho que passar porque caso antes às 11 horas”, lá me deixaram passar com ar de quem os estava a enganar. Subi, mandaram-nos entrar para uma sala a mim e ao meu marido, meus sogros, meu pai e madrasta, sentamo-nos, quando um Senhor de idade começou um longo discurso, só nessa altura percebi, que não devia levar a aliança já posta, comecei a tira-la enquanto o Senhor ia falando mas ela não saía tinha os dedos inchados, por fim lá saiu enquanto eu fazia isto o Senhor da conservatória parou de falar, olhou para nós e disse, “são muito parecidos” aí fiquei de todas as cores e por segundos pensei, queres ver que vai dizer que somos irmãos e não nos casa, mas não, ele devia estar achar montes de graça àquele casamento tão fora do normal, lá disse as palavras certas para colocarmos as alianças e lá ficamos casados.
Depois para ir para o almoço meu pai levou os meus sogros no automóvel, e nós fomos a pé, a meio do percurso entramos em uma livraria compramos um livro, e como ainda estávamos longe do restaurante, apanhamos um autocarro. Depois o fotógrafo foi o meu pai que com uma máquina Kodak e um rolo a cores, nos tirou os retratos, quando vieram as fotografias reveladas, vinham quase todas estragadas, hoje são as poucas que ficaram bem, com o tempo ficaram cor laranja. No fim do almoço fomos ao cinema não me lembro o que era o filme, e depois para casa a minha sogra que tinha um bolo normal para comermos, ainda hoje sonho com um bolo com andares de casamento, talvez quando fizermos 40 anos de casados. Não me recordo se tivemos três dias de folga no emprego. Foi assim o meu casamento. não sei se teve algum interesse esta postagem mas achei que era tão diferente de agora que me lembrei de descrever. As fotos são as nossas do casamento que restam.



Muito obrigada a Lunna pelo destaque,num lugar como é o seu, cantinho sempre mimoso e sempre pelo Bem, beijinhos Lunna, http://www.nomundodabellalunna3.blogger.com.br/
Quero agradecer também ao Claudia que me enviou este gatinho com a minha assinatura.


As pessoas são Presentes!!!

Algumas chegam com a embalagem bonita!..

Anunciando um evento qualquer....

Outras em embalagem comum!

Anunciando nada de especial...

Existem ainda aquelas que chegam...

com a embalagem machucada...

As quais não damos o menor valor...

Existem aquelas que chegam registradas!

Presentes valiosos!

Pois não se perdem no caminho...

Mas a embalagem não é um Presente!!!

E sim o seu conteúdo...

É com ele que aprendemos, crescemos ou partilhamos.


Você... Eu... e outras tantas pessoas

Somos presentes uma para as outras.

É no afrouxar dos nós....

Que nos desembrulhamos pouco a pouco...

E aos poucos vamos percebendo e revelando...

O imenso presente contido...

VOCÊ!!!

Desconheço o autor

Descobrindo que está com febre
No galinheiro da fazenda Josias KH Nomato, duas galinhas conversam:
— Ô Marinete, ontem à noite eu passei muito mal!

— Por quê, Marilu?
— Porque eu estava ardendo em febre.
— Mas como você sabe se nem termômetro nós temos?
— É que eu botei um ovo cozido.

Uma mosca foi
dar o seu primeiro vôo e ao chegar, a sua mãe pergunto:
- Como foi?
A mosca respondeu:
- Ótimo por onde eu passei todos me aplaudiam!

Remédio para tosse

O farmacêutico entra na sua farmácia e repara num homem petrificado, com os olhos esbugalhados, mão na boca, encostado em uma das paredes.
Ele pergunta para o auxiliar:

- Que significa isto? Quem é esse cara encostado naquela parede?
- Ah! É um cliente que queria comprar remédio para tosse. Ele achou caro, então eu vendi um laxante.
- Você ficou maluco? Desde quando laxante é bom para tosse?
- É excelente. Olha só o medo que ele tem de tossir!