sábado, junho 24, 2006


Muito obrigada a Regina da Bella Mistura
que me ofereceu este lindo selinho a dizer que sou uma amiga especial, na verdade gosto de tomar o pequeno almoço ou o café da manhã com ela, pois tem sempre uma graça para me pôr bem disposta.

Sobre os amigos que fiz está quase a fazer um ano nunca pensei que fosse possível através de simples ecrã, uns desapareceram de repente, outros permaneceram e são sempre uma alegria enorme quando dizem um olá, eu não tenho muito jeito para escrever, gosto mais de me exprimir por bonecos, mas aceitem esta maneira mal escrita de dizer, que de todos gosto muito, mesmo quando não deixo um olá, me lembro de vocês.Agradeço também o convite e o selo da Mariana, ontem foi o dia do seu aniversário. Parabéns também para a avó Bitu.

Esta foto é de Charito Gil coloquem o rato em cima.





Hoje vou contar a lenda do Rei Ramiro e sua mulher D. Aldora

Esta lenda vem do século X conta que Rei Ramiro II rei de Leão apaixonou-se por uma bela moura de sangue azul, irmã de um rei mouro muito rico. Influenciado pela paixão e com intenção de pedir a moura em casamento Ramiro decidiu estabelecer paz com o irmão da sua apaixonada que o recebeu no seu palácio de Gaia. Apesar de ser casado, Ramiro pensou que seria fácil a anulação do seu casamento pelo parentesco que tinha com sua mulher D. Aldora. Mas o Alboazer irmão de sua amada recusou determinantemente: nunca daria a irmã em casamento a um cristão e, de qualquer forma já estava prometida a um rei de Marrocos. O rei Ramiro zangado resolveu raptar a princesa e levou-a consigo, estava prestes a embarcar com ela no cais de Gaia quando o rei Alboazer deu por falta da irmã foi ao cais e tiveram uma luta,onde ganhou o D. Ramiro que levou a princesa moura para o reino de Leão consigo, e a baptizou com o nome de Artiga que significava castigada.Photobucket - Video and Image Hosting
Mas o Alboazer para se vingar raptou a legitima esposa do rei Ramiro D. Aldora juntamente com todo o séquito. Quando o rei Ramiro soube do rapto, ficou louco de raiva, ( aí acho que ele queria era dormir com todas as aias de D. Aldora) Ramiro resolveu voltar a Gaia disfarçou-se de pedinte e dirigiu-se a uma fonte onde encontrou uma das aias de D. Aldora a quem pediu um pouco de água, aproveitando para dissimuladamente deitar no recipiente meio camafeu, do qual a rainha possuía a outra metade. Reconhecendo a jóia, D. Aldora mandou buscar o rei disfarçado de pedinte e, por vingança da sua infidelidade, entregou-o a Alboazer. Sentindo-se perdido, o rei Ramiro pediu a Alboazer uma morte pública, esperando com a astúcia ganhar tempo para poder avisar o seu filho através do toque do seu corno de caça. Ao ouvir o sinal combinado, D. Ordonho acorreu com os seus homens ao castelo e juntos mataram Alboazer e o seu povo, para além de destruírem a cidade. Levando D. Aldora sua legitima mulher e suas aias para seu barco, o rei Ramiro atou uma mó de pedra ao pescoço da rainha e atirou-a ao mar e coitadinha, lá foi pelo mar abaixo a D. Aldora
Num local que ficou conhecido por foz da Âncora. O rei Ramiro voltou para Leão viúvo onde casou logo com a princesa Artiga. E esta é a história de D. Aldora .

-----------------------------------------------------

quinta-feira, junho 22, 2006


Um obrigadão Maria "o Teu Doce Olhar", por me colocar no seu blog em destaque, muitos beijinhos, Maria desculpa só hoje trazer o teu selinho.Vão até estedoceolhar e encontraram o carinho enorme.




"CURIOSIDADE"

Em todos os idiomas europeus, a palavra NOITE é formada pela letra N + o número 8... A letra N é o símbolo matemático de quantidade infinita (exemplos: "n" dimensões ou "n" espaços) e o 8 deitado também simboliza infinito, ou seja, noite significa, em todas as línguas, a união do infinito!!!
Português: noite = n + oito
Inglês: night = n + eight
Alemão: nacht = n + acht
Espanhol: noche = n + ocho
Francês: nuit = n + huit
Italiano : notte = n + otto




Anedota do papagaio
Um mágico trabalhava num navio, fazendo shows para os passageiros.
Como o público era diferente todas as semanas, o mágico aproveitava e repetia sempre os mesmos truques.
O papagaio do capitão, que sempre via os shows, começou a entender como o mágico fazia os truques.
Então, de cada vez que ele entendia um truque, começava a gritar no meio do show:
- Atenção, não olhem para o mesmo chapéu!
- Olha, ele está a esconder as flores debaixo da mesa!
- Ei, porque é que as as cartas são todas ases de espadas?
E por aí adiante.
O mágico ficava furioso, mas não podia fazer nada, afinal de contas era o papagaio do capitão. Até que, um dia, o navio afundou. O mágico acabou agarrado a um pedaço de madeira no meio do mar e, por um capricho do destino, junto com o papagaio. Eles olharam um para o outro com ódio, mas não proferiram palavra alguma.
Isto continuou por vários dias. Finalmente, no quinto dia, o papagaio não se conteve e disse:
- Ok, eu desisto. Onde é que enfias-te a p$##& do navio?

Photobucket - Video and Image HostingPhotobucket - Video and Image Hosting
Anedota do patrão de churrasqueira
O dono da churrasqueira ficou surpreso ao verificar que havia um monte de sacas de cal
na churrasqueira da Granja do Torto, e pergunta ao churrasqueiro:
- Quem pediu esses sacos de cal?
- O senhor (respondeu o rapaz)!
- Eu (perguntou indignado)?
- Sim, foi o senhor mesmo.
- Mas como é que tu me acusas de uma coisa dessas? Disse esbracejando, com a face vermelha.
- Lógico! disse o jovem mostrando ao dono o bilhete que o
mesmo havia deixado para compras. Estava claramente escrito: 102 quilo de CAL.
- Mas tu és mesmo iletrado!! - disse o dono babando de ódio
com a ousadia do fedelho.
- Eu apenas esqueci de pôr cedilha no C. É lógico que era ÇAL para o churrasco. E aonde tu viste que eram 102, retardado. Escrevi 1 ó 2 quilo, seu burro!!!
Photobucket - Video and Image Hosting