sábado, setembro 02, 2006

Cartas reais escritas por crianças a Deus


Cartas reais escritas por crianças a Deus
(traduzidas de original em inglês para Português)

1. Querido Deus, Eu penso em Ti de vez em quando, mesmo quando não estou rezando.
(Elliott)

2. Querido Deus, querias mesmo que a girafa se parecesse assim ou foi um acidente?
(Norma)

3. Querido Deus, Em vez de deixar as pessoas morrerem e ter que fazer outras novas, porque não manténs aquelas que já foram feitas até agora.
2. (Jane)

4. Querido Deus, Quem desenha as linhas em volta dos países?
(Nancy)
5. Querido Deus, Eu fui a um casamento e eles beijaram –se dentro da igreja. Tem algum mal nisso?
(Neil)

6. Querido Deus, Obrigado pelo meu irmãozinho, mas eu rezei por um cachorrinho.
(Joyce)

7. Querido Deus, Choveu sempre, durante as nossas férias e o meu pai ficou zangado! Ele disse algumas coisas de Ti que as pessoas não deveriam dizer, mas eu espero que Tu não vás Fazer-lhe mal.
(Seu amigo - mas eu não vou dizer quem eu sou)

8. Querido Deus, Por favor, me mande um Pônei. Eu nunca te pedi nada antes, podes pensar nisso.
(Bruce)

9. Querido Deus, Eu quero ser igualzinho ao meu pai quando eu crescer, mas não com tanto cabelo no meu corpo.
(Sam)

10. Querido Deus, Eu não pensava que laranja combinava com roxo mas quando vi o pôr-do-sol que fizes-te na Terça-feira. Foi Um espanto!
(Eugene)

11. Querido Deus, Eu aposto que é muito difícil para Ti amar a todas as pessoas no mundo. Na nossa família só tem quatro pessoas e eu nunca consigo...
(Nan)

12. Querido Deus, De todas as pessoas que trabalharam para Ti, eu gosto mais é de Noé e David.
(Rob)

13. Querido Deus, Meus irmãos me falaram sobre nascer de novo, mas soa muito estranho. Eles estão só a brincar, não é?
(Marsha)

14. Querido Deus, Se Tu olhares para mim na igreja no Domingo, eu vou te mostrar meus sapatos novos.
(Mickey)

15. Querido Deus, eu li que Thomas Edison fez a luz. Mas na escola dominical nós aprendemos que foste tu. Eu acho mesmo que ele roubou a tua ideia.
Sinceramente,
(Donna)

16. Querido Deus, Eu acho que ninguém podia ser um Deus melhor que Tu. Bem, eu só quero que saibas que não estou dizendo isso por tu seres o Deus.
(Charles)

17. Querido Deus, Talvez Caim e Abel não se matassem um ao outro se eles tivessem seu próprio quarto. Isso sucede com meu irmão.
(Eddie)



Quem não tem conhecimento daquelas cartas que andam perdidas anos e um dia chegam ao destinatário? pois este gif oferecido pela Maria do doce olhar esteve perdido, como o encontrei aqui está ele.




Encontrei estes blogs que gostei muito por isso aqui divulgo para quem quiser ver, cliquem no nome
Maith -

porque a minha fadinha arodla está no clube da melhor idade aqui fica o selo para quem quiser visitar o clube

terça-feira, agosto 29, 2006

Trabalho de menino é pouco, quem não o aproveita é louco.


Hoje lembrei-me de quando eu tinha os 13 ou 14 anos conheci uma velhota que era a D. Cristina, a história de vida daquela mulher tinha sido uma lutadora, tinha ficado viúva muito cedo com dois filhos pequenos, morava em pleno centro da cidade, num 4.º andar de um prédio muito antigo, quando enviuvou, para fazer face ás despesas desfez a casa para a transformar em vários quartos para alugar, um deles era chamado o quarto independente que era normalmente nesses prédios antigos um que tinha porta independente do resto da casa e tinha uma sala e um quarto, aí por essa altura habitava um familiar meu, fazendo com que eu viesse a conhecer a D. Cristina, como disse velhota careca mas sempre com uma cabeleira postiça para não se ver a falta de cabelo.
Ora tendo um dia utilizado a casa de banho da D. Cristina, vi que estava com a pintura muito velha o branco estava amarelo, o autoclismo, daqueles antigos pendurados na parede com um fio de puxar muito cheio de ferrugem, os canos que passavam pela parte exterior da parede todos ferrugentos, não dava nada com a pessoa, aquela casa de banho, pois ela era super asseada, e gostava de ver tudo limpo, e disse-lhe, D. Cristina porque não pinta sua casa de banho, ficava logo com outro aspecto? Ela respondeu-me que quando era mais nova e tinha mais força pintava, mas agora já não tenho mais forças, além de que tenho muito medo de cair do escadote.
- Aí eu disse, mas não há problema eu pinto-lhe a casa de banho! - Ora deixe de brincar comigo!
- Não eu estou a falar a sério não me custa nada, disse eu, e na verdade eu pintei-lhe a casa de banho sem me ter custado nada, ficou como nova, ela ficou super feliz quis pagar-me mas não eu claro que nada aceitei, pois tinha feito por gosto.
Hoje lembrei-me disto porque sou muito mais nova que a senhora era naquela época, e já fico muito cansada cada vez que pinto um quarto, porque eu gosto de ter sempre tudo com um ar limpo, e bonito.
Na altura nem me apercebi quanto tinha sido importante para aquela senhora a minha ajuda.

Se fosse hoje se calhar se falaria de exploração do trabalho infantil, quando afinal foi um acto de alegria poder pintar aquelas paredes enegrecidas pelo tempo, pintar a tinta de esmalte branco aquele autoclismo aqueles canos tudo me tinha dado imenso prazer, ver que ia ficando lindo. Estava de férias e os dias passaram mais rápidos assim. Acho que se chegou ao exagero na nossa sociedade que as crianças não podem fazer nada que seja trabalho, porque é exploração infantil. Desde que não seja prejudicial para a sua integridade que mal faz uma criança varrer um quintal como eu fiz tantas vezes na casa de minha tia ou regar as flores e outras coisas que para dizer a verdade me davam imenso prazer. Ou será que as crianças de hoje a partida, já não acham graça a fazer essas coisas.