domingo, fevereiro 18, 2007

Carnaval no nosso País



O Carnaval de antigamente não era como hoje um desfile de corsos e meninas a dançar com pouca roupa, como no Carnaval brasileiro. (Não nos podemos esquecer que na altura do Carnaval, no Brasil é Verão, mas cá não, brrrr...)

O mais genuino para mim, que perdoem os outros locais, mas talvez pela sua interioridade é em Trás- os -Montes com os Caretos
Diz-se que a tradição dos Caretos já vem de há muitos séculos, ainda antes do Cristianismo e está associada a práticas mágicas, relacionadas com os cultos da fertilidade na agricultura.
Um Careto é um homem disfarçado que anda pelas ruas de algumas povoações e aldeias do Norte de Portugal (especialmente em Trás-os-Montes) com uma máscara que serve para meter medo, fazendo de diabo à solta. Podem aparecer tanto no Carnaval como no Natal.
• Os caretos andam em grandes grupos, com máscaras de couro ou de madeira, muito feias. Vestem velhas colchas de lã transformadas em fatos de cores fortes como o verde, azul, preto, vermelho e amarelo (tudo às riscas).
• Para chamar a atenção e fazer todo o barulho que lhes é característico, os caretos usam grandes chocalhos pendurados na cintura e guizos nos tornozelos.
• Sabias que nos dias em que os caretos saem à rua, as meninas solteiras ficam em casa a vê-los pela janela?
Por isso eles trepam pelas varandas acima, para ir ter com elas e fazer muito barulho, mexendo a cintura para lhes bater com os chocalhos!
Diz-se que o homem, ao vestir aquele fato, torna-se misterioso e seu comportamento muda completamente, ficando possuído por uma energia que não se sabe de onde vem.
Nas crenças das pessoas os caretos tudo se permite nos dias de Carnaval.

Nas crenças das pessoas de Trás-os Montes e da Beira Alta, existe qualquer coisa de mágico em todo o ritual da festa que permite aos caretos fazerem coisas que os outros não podem.
Em todo o país se celebra o Carnaval mas bem antigo também é o de Torres Vedras.
O registo existe do Carnaval de Torres Vedras data do reinado de D. Sebastião, no século XVI?
O Carnaval de cada terra tinha o seu rei, o Rei Momo, que também tem uma rainha. A corte tem vários ministros (a fingirem ques estão sempre bêbedos) e imensas "matrafonas", que são homens vestidos de forma ridícula ou de mulher.
Normalmente há Zés-Pereiras ( eu tinha um medo muito grande dos Zés Pereiras quando criança) que acompanham e animam o desfile, a tocar bombo, ou "tropas fandangas" também a tocar e a fazer disparates. Também aparecem gigantones e outros disfarces.
Cegadas
Ora essa expressão vem de uma tradição do Entrudo (Carnaval) português em que as pessoas faziam cegadas para se divertirem.
A característica mais importante da cegada é o facto de ser uma oportunidade para, estando disfarçado dos pés à cabeça, «gozar» com pessoas (importantes) que normalmente se respeitam, mas são irritantes, pregar partidas e até mesmo criticar o governo ou os governantes.

Eu recordo – me das cegadas em Campo de Ourique num bairro Lisboa onde morei quando criança, lembro-me das pessoas que faziam as cegadas a fugirem á policia.
Nos anos 60 do século XX, o nosso governo proibiu as cegadas (por causa das críticas políticas, que na altura não se podiam fazer). Este foi o tempo das «grandes cegadas», porque, apesar de serem proibidas, muitas pessoas continuaram a fazê-las
As cegadas eram uma forma de crítica que revelava o sentido humorístico malicioso do nosso povo. A melhor altura para o fazer era sempre o Carnaval - quando «ninguém leva a mal».
São uma tradição mais típica do sul de Portugal e as que ainda se mantêm são as de Sesimbra, Ourique, Odemira e outras.
Normalmente, acabam por se tornar até o tema do Carnaval desse ano, figurando alguns acontecimentos cómicos ocorridos durante o ano. E aí toda a gente se diverte!
Tenho andado afastada do Bloguinho mas estou bem, em breve visitarei todos.
Um obrigada ao meu primo que me enviou a foto de cima, nem tinha conhecimento que dela.

15 comentários:

Maria Elisa disse...

Amiga AROLDA..Upa hoje foi a primeira?É a brincar sobre estas tradições que fazes referência no teu texto,essa dos caretos de TRÀS-OS-MONTES eu não conheço,mas tenho lido e falado pela TV,mas eu pessoalmente o Carnaval não me diz grande coisa apesar de estar muito mudado desde o meu tempo de juventude,mas na minha terra o PORTO se liga mais aos bailes de Carnaval,onde ía com frequência era para mim grande alegria a nossa mãe nos deixar ir uma noite inteira até de manhã.
Amiga gostei deste texto e ficamos a saber mais da nossa cultura.Beijinho amiga Arolda
Maria Elisa

Zé (do beco) disse...

Olá Aldora. Eu também já não gosto do carnaval. Especialmente estes carnavais comerciais (hoje tudo é para vender), importados do Brasil. Até parece que nós, um país com 900 anos, não temos tradições suficientes para fazer o carnaval. Nunca fui ver um desfile carnavalesco (vi uma vez um numa pequena vila, que era uma fraca imitação dos grandes carnavais nacionais) e do que eu gostava era das partidas que se pregavam nesta época.
Mais uma vez nos deixaste uma boa lição, desta vez sobre o carnaval, a comprovar aquilo que disse um dia destes. A igreja católica não fez mais que apoderar-se de festas pagãs e transformá-las em festa religiosas. Quase o mesmo que agora se faz. Transformam-se festas populares em imensos cortejos de figuras do mundo do espectáculo.
Outra coisa interessante do carnaval é a frase – é carnaval, ninguém leva a mal – o que não é bem assim. O Salazar não gostava do carnaval por causa das críticas e agora também há por aí uns "figurões" que começam a deitar as garras de fora, de cada vez que são criticados. Ainda há por aí muita mosca que sobrou da mer** do antigo regime. Andam mascarados de democratas...
Beijinhos, saúde para todos e uma boa semana.

kaldinhas disse...

Pois é,e lá fomos nós buscar a nida do Brasil.Uma tantas moçoilas em cima de uns carros a tiritarem de frio,mas é carnavel,temos de fzaer isso.Manter o que é nosso?? Nunca,isso já n se usa.
Sinceramente n ligo muito ao carnaval,talvez por brincar e fazer patifarias o ano todo rsrsrrs
Gostei de te ver a fazer continência:-)
Bjos e já agora,bom carnaval

oteudoceolhar disse...

Boa tarde menina dos gatinhos...primeiro Bom Carnavel :) pa ti...depois não entendi o porque daquela imagem ter sido criticada e motivo de cancelamento do teu blog...enfim. Terceiro, eras cá uma gata :P giraaa tu com tótós e tudo ;)...Ainda bem que estás bem, fico contente, vejo que a criatividade continua em alta os teus bonequinhos estão lindossss, coloridos animados, lindos como sempre...Menina dos gatinhos continuação de bom carnaval seja ele de tradição, norte, sul, ou não ;). Beijos n´oteudoceolhar **

Beth disse...

Aldora querida,que prazer receber vc no meu cantinho!
Mas eu uso outro blog,a tempos não posto nada naquele!
Uso esse,http://beth.tosin2.zip.net
Fiquei até sem graça de vc ter ido lá e não ver nada...
O seu está maravilhoso,parabéns
amei sua visita e amei a mensagem que me deixou!!
Seja super bem vinda
Super beijos

Papoila disse...

Olá Aldora:
É deste Carnaval típico que aqui descreves que mais gosto. Nunca esqueço uma tarde de carnaval em que assisti em Fontes uma aldeia de Santa Marta de Penaguião em que se organizou uma cegada com "matrafonas" e toda a gente entrou numa batalha campal de farinha e água.
Beijo

jucimara e itay disse...

oi minha lindona, finalmente religaram meu telefone e estou com net novamente. Carnavalllllllll, ai aqui é fraco, fraco e nesse frio nem estive na rua para ver o desfile kkkk beijos

Verinha disse...

Querida Arodla,


Minha flor, tudo bem com você?
Eu estou bem, graças a Deus!
Aqui é carnaval...e eu estou descansando e cozinhando...para variar!
Eu i o teu post e descobri porque minha mãe me conta que quando ela era mocinha...ela tinha medo do careta, no carnaval da Bahia!
Deve ser por essa história do carnaval!
Está tudo bem com você, minha flor?
Eu peço desculpas pela demora em voltar aqui mas...eu passei por algumas adversidades, já resolvidas, graças a Deus!
Eu te desejo uma quarta-feira com muita paz!
Fique com Deus!
Um abraço carinhoso, de quem te quer tanto bem,
Verinha

Castor (moi-je...ehe, ehe) disse...

Sinceramente, é uma festa que abomino porque, de cada vez que sou confrontado com um desfile, parece-me tudo tão deprimente, tão foleiro, tão político, tão confuso. Não direi tanto de um carnaval de Veneza ou do Brasil, mas o nosso - valha-me o santo - nem Trás-os-Montes escapa, amiga. Passemos á proxima festa: a Páscoa está quase aí. Salva-se o folar, os doces e o almoço em espírito de familia.

andreabombom disse...

Aldora querida , passei p/te fazeu uma visita!!!
Umaótima quarta!!!
Seu blog é show!!!!
Uma ótima quarta-feira!!!
Beijos mil,
Andrea

-_- Meire -_- disse...

Olá Arodla

Passei para agradecer e retribuir sua visitinha e me apaixonei por seus blogs... Já faz horas que aqui estou a ler seus posts... Todos muito inteligentes e interessantes. Me emocionei com A Gardênia Branca, pois desde que me casei, (22 anos) comecei a receber nos dia do meu aniversário um lindo buquet de rosas, sem cartão, mas sei que é meu Pai quem as envia. Tem dias em que ele está viajando, mas as rosas chegam e é maravilhoso e meus olhos se encheram de lágrimas quando lí o motivo que vc não recebeu mais as gârdenias.Ahh, fui conhecer o Blog Fadinha arodla tb e amei tudo em especial adorei o ritual para encontrar uma fada.Parabéns, Parabéns e Parabéns!! Você é um encanto de pessoa. beijos no coração e uma linda e iluminada semana.!

Filipe Freitas disse...

Olá Aldora !
Este ano não vi nada do Carnaval, a não ser na televisão... A Figueira da Foz teve sorte nos dois desfiles: de Domingo e de Terça-feira. São Pedro também nos deu sol !
Os caretos: por acaso conheço, tive oportunidade de os ver, pela primeira vez, o ano passado na Beira Alta e achei muito engraçados.
Antigamente o Carnaval era bem diferente: recordo-me das "brincadeiras" que o meu pai me contava e o que eles faziam...
Beijinhos.

Luisa disse...

Em Alenquer também se faziam muitas cegadas e eram bem divertidas! Esse Carnaval que descreves é que +e o autêntico carnaval português e não essas imitações do Brasil com samba e tudo, como se cá não houvesse música.
Gostei muito do teu retrato.

Jofre Alves disse...

O texto reflecte uma abordagem cuidada e interessante sobre o tema do Entrudo, ainda com a comparação ao Carnaval moderno e abrasileirado que alguns vão fazendo. Gostei imenso do texto. O nosso Entrudo tradicional, das cegadasm dos caresto, dos desfile trapalhão ainda resiste. Óptimo fim-de-semana.

Samara Angel disse...

oi minha querida amiga,como é bom conhecer sempre mais das coisas onde se vive,nao conhecia essa historia dos caretos interessante,minha linda desejo um bela semana iluminada,bjssss