sábado, agosto 25, 2007

Ultimamente pouco tenho escrito neste blog, fiz amigos e agora acho que nada tenho para contar, hoje vou deixar correr as ideias por isso não se admirem se saírem disparates
O mês de Agosto, passou a correr assim como o tempo tem passado cada vez mais depressa, apercebo-me que muita coisa que fazia diariamente, deixei de fazer.
Será que estou ficando mandriona, de qualquer forma eu não paro durante todo o dia.
Talvez pense mais que antigamente e chegue a conclusões que me surpreendem.
Outro dia pensava, só passei um ano férias com o meu falecido pai, porque todas as outras foram com familiares, porque seria que para mim o meu pai sempre teve pouco tempo?!
Ouvi que as mulheres quando atravessam certos períodos da vida como a menopausa os conflitos interiores mal resolvidos vem ao de cima, de nada serve pensar nisto, mas penso que fui melhor mãe e o pai das minhas filhas melhor pai, do que foram para nós.
Acho que é importante que os pais tenham férias com os seus filhos, não entendo como não aproveitar todo o tempo com eles ainda crianças, deitá-los cedo para poder ter um jantar com os amigos nunca me passou pela cabeça, por isso e por muitas vezes eu ponho questões como, ser egoísta e só pensar em si próprio, certamente sabem do que falo.

O carinho e o amor sendo uma frase feita na verdade movem o mundo porque se as crianças forem criadas com amor não haverá tanta violência. Fico espantada com as noticias que oiço, e do modo como hoje em dia se mata seres humanos de uma forma tão fria; qual será a falha, será só de valores, antigamente qual era a criança na primária que desobedecia ao professor, hoje logo pequeninas tem uma a vontade e por vezes já uma desobediência de má educação que aflige. Não consigo entender, amor para mim não significa deixar as crianças fazerem tudo o que lhes dá na cabeça, isso para mim é os pais não estarem para se maçar pois dá mais trabalho deixar fazer tudo que explicar que não está certo e porque motivo.

Ontem vi muitas crianças numa feira aqui próximo e observei que, aquelas que estavam do lado de lá das bancas de venda onde os pais estavam a ganhar a sua vida estavam bem sossegadas, sentadas e brincando com qualquer coisa, enquanto as passeantes choravam, pediam tudo o que viam e faziam birras, é incrível como naquele espaço dava para ver as diferenças, as que estavam junto dos pais que trabalhavam sonhavam talvez com a caminha delas que tardava em chegar.
Bem são ideias dispersas mas foi o melhor que hoje me veio a cabeça.