segunda-feira, dezembro 21, 2009

Doces de Natal


Filhós de forma (necessário a forma )
250 gr de farinha
3 ovos
2.5 dl de leite
batedeira bato tudo
Oleo ao lume quando o oleo está a ficar quente coloca-se a a forma dentro e deixo ficar
oleo quente tiro a forma
molha-se a forma na massa até a borda
depois levo dentro do oleo
se ao fritar a massa assim que se coloca na massa é porque a forma está quente demais se
se ficar muito pegada na forma quando se introduz no oleo é porque o oleo da fritadeira está quente demais eu fiz com a nº 8 em placa de vitrocerâmica
ficam muito bonitas e boas

PREPARAÇÃO:
Misture os Ovos com o Açúcar bater.
o leite e a raspa de limão e um cálice da água ardente.
Incorpore a Farinha, aos poucos, no preparado, até obter uma massa homogénea e fina.
Deixe-a repousar 30 minutos.
AQUEÇA o ÓLEO e, dentro deste introduza a FORMA das filhós,
para aquecer também.
Depois de quente, molhe-a na massa sem a mergulhar completamente.

Fritar em óleo bem quente, tendo o cuidado de molhar as formas no óleo para elas irem bem quentes (sem ser em demasia), mergulhando-as na massa (NUNCA PODE DEIXAR PASSAR A MASSA POR CIMA DAS FORMAS- senão a massa não se despega).

Ao mergulhar a forma no óleo, oscila-a para cima e para baixo, para a massa se despegar.

Por fim escorre os fritos e passa-os por uma mistura de açúcar e canela ( Enquanto mornos).


De seguida, mergulhe-a no Óleo quente e deixe fritar um pouco.
Sacuda o ferro (FORMA para FRITAR FILHÓS) para que a filhós se solte
e vire-a para que frite de ambos os lados.

Repita esta operação até esgotar a massa, não se esquecendo de,
previamente, aquecer sempre a forma.
Escorra as filhoses sobre papel absorvente e depois passe-as
por Açúcar e Canela. Sirva-as.



SUGESTÃO :
Para intensificar o sabor das filhoses junte à massa 1/2 cálice de Aguardente.

guardar em caixas grandes, hermeticamente fechadas, ainda se aguentam rijinhas por uns quantos dias.
Não ter as formas também não é desculpa.



Mais uma receita esta sem as fotos.
Fofos da Abobora Amarela


1.200 kg da abobora amarela
600 gr de farinha de trigo
50 gr de açucar
3 ovos
1 laranja
1 colher de chá de fernento em pó
oleo para fritar
açucar e canela para polvilhar, eu por vezes em metade da receita faço um calda com açucar e canela e deito por cima assim fica uns com calda e outros só arreados

descasque a abobora e e coze-a em agua temperada com pouco de sal.
logo que cozida escorre-a bem e passe pelo pelo pase vite eu faço com a varinha eléctrica, deite o puré num pano limpo e aperte bem para espremer a água
o puré espremido para uma tigela amasse-o com o açucar a farnina e a raspa da laranja e algum sumo desta amasse em seguida com as gemas de ovo e o fermento
levante as claras em castelo bem firme e ligue-as ao preparado
Em seguida frite em bastante oleo bem quente pequenas porções com uma colher de sopa os fritos devem nadar no oleo
escora-os e depois passe pelo açucar arreado e canela :

Ou a calda 200gr de açucar 1 dl de água 1 casquinha de laranja
misture e faça ferver 4 minutos exatos



Espero que gostem e tenham umas boas festas

terça-feira, novembro 03, 2009

Bolo de chocolate e cheirinho de Lisboa


Este bolo é uma maravilha fica mole por dentro é delicioso foi a minha filha mais nova que deu a receita aqui estou a partilha-la
Bolo de Chocolate


Ingredientes
75 gr. de farinha de trigo
250 ml. de leite
125 gr. de açúcar
4 colheres de sopa de manteiga
4 ovos, claras e gemas separadas
5 colheres de sopa de cacau em pó.


Preparação

Pré aqueça o forno a 180º (4 no termóstato). Misture a farinha num pouco de até obter um mistura macia. Ferva o restante leite com o açúcar e a manteiga. Adicione a mistura de farinha e mexa bem. Retire do lume e deixe arrefecer. Bata as gemas até ficarem esbranquiçadas. Bata as claras em castelo. Adicione o cacau em pó ao leite e misture bem. Acrescente as gemas e depois as claras. Unte uma forma redonda de buraco, polvilhe-a com farinha e verta para aí a massa. Leve ao forno durante 25 minutos. Retire do forno e deixe arrefecer. Desenforme e sirva.


Para 6 pessoas
Preparação: 30 minutos
Cozedura: 25 minutos
Nível de dificuldade: 3

Fotos da Baixa de Lisboa
(Clicar nas imagens para ampliar).
Tabletas de indicação do Chiado onde o Grande poeta Fernando Pessoa se passeava.

Elevador de Santa Justa não está provada a ligação deste engenheiro ao famoso Gustave Eiffel. Mas eu sempre ouvi que era de Gustave Eiffel.O Elevador de Santa Justa foi inaugurado a 10 de Julho de 1902 tendo, na altura, sido apelidado de Ascensor Ouro-Carmo. Nos primeiros anos do seu funcionamento era movido a vapor, passando a 6 de Novembro de 1907 a ser accionado por energia eléctrica. A diferença de nível entre o piso da estação inferior (Rua de Santa Justa, na Baixa) e o da superior (Rua do Carmo) é de trinta metros.

Um Leitaria que encontrei em uma rua quando vinha do Hospital de Santa Marta para os Restauradores.


Ginjinha do Rossio
É uma casa centenária onde se vende Ginjinha ao copo. Ginjinha é uma bebida licorosa feita a partir de Ginjas, ou melhor Aguardente com Ginjas lá dentro. As Ginjas são um fruto parecido com Cerejas (ultimamente quase não vejo Ginjas a vender), senão já teria feito a minha Ginjinha. Esta casa é como muitas tabernas que haviam em Lisboa era um local frequentado por homens, nos seus momentos de descanso. Nas tabernas bebia-se quase exclusivamente vinho, jogava-se às cartas, dominó ou damas e conversava-se,têm um balcão em mármore, e são normalmente escuras e com um cheiro caracteristico, muitas delas tinham uma carvoaria ao lado.



Elevador do Lavra
Inaugurado em 1884, sobe uma encosta onde se destacam os prédios setecentistas, ligando o Largo da Anunciada e a Travessa do Forno do Torel. É o elevador em funcionamento mais antigo de Lisboa e no início cada viatura (Monumento Nacional)
Foi a forma de ir ao Hospital dos Capuchos onde tem o Jardim do Torel e o Jardim do Campo dos Mártires da Pátria. esqueci de tirar fotos aos jardins (onde tinha eu a cabeça).

Espero que tenham gostado de um cheirinho a Lisboa
Voltem sempre

Aldora

domingo, outubro 18, 2009

Passeio pelo Norte do País

Entre Ouro, Vinho Verde e Artesanato Regional que melhor conjunto para me sentir bem.

Filigranas até os gatinhos gostam desta Filigrana é um trabalho ornamental feito de fios muito finos e pequeninas bolas de metal, soldadas de forma a compor um desenho. O metal é geralmente ouro ou prata, mas o bronze e outros metais também são usados.

Região Norte de Portugal, é rica nesta arte de ourivesaria foi um passeio que fiz até Travassos que ganhei este lindo coração normalmente usado frequentemente no conjunto do vestido de noiva tradicional e, ainda, no traje feminino dos ranchos folclóricos do Minho.
Foi-me explicado pelo Ourives que por cima do coração aquele desenho significa a chama do amor.
Vale a pena visitar esta região do Norte de Portugal o Minho e o Gerês onde fiz um passeio de barco no Rio Caldo uma zona linda.
Instrumentos para trabalhar o Ouro.


Fiquei a saber que as Minhotas eram mulheres de haveres completa a sua imagem com múltiplos adornos de ouro, ostentando com orgulho a sua capacidade económica. (para quem não conhece o fato a tradição das veste aqui foto tirada da net)

Para casar, a mulher ia sempre de preto, utilizando o seu traje de mordoma ou outro quando possuía posses para tal. Ao traje de mordoma acrescentava um lenço de fina cambraia, cruzado à frente, ou um véu de renda ou de tule bordado a branco, de pontas caídas. Na mão para segurar o ramo usa um lenço de "amor" bordado com motivos florais, vegetalistas e quadras ou frases amorosas, a ponto cruz, ponto cheio, cordão, pé-de-flor, etc. Estes lenços fotografei numa quinta que visitei de que produtora de vinho Verde



outro

Pipas de vinho Verde.

Aqui me despeço até próxima postagem voltem sempre.

domingo, outubro 04, 2009

Dia dos Animais





"Chegará o dia em que os homens conhecerão o íntimo dos animais e nesse dia, um crime contra um animal será considerado um crime contra a humanidade".
Leonardo da Vinci (1452-1519)

Hoje é dia dos bichinhos, claro dia dos Gatinhos Voadores também, a mesma data em que se festeja o dia de São Francisco de Assis, e não é coincidência, pois esse santo é o protector dos animais. Ele sempre os referenciou como nossos irmãos: irmão cão, irmã leoa, São Francisco de Assis, também amava as plantas e toda a natureza: irmão sol, irmã lua, são expressões comuns na fala do santo, um dos mais populares até os nossos dias.
A primeira classificação dos animais, como conhecemos hoje, deu-se no ano 350 A.C., e o seu autor foi, Aristóteles. Este filósofo grego catalogou na época, 500 espécies, pena é que passados dois milénios, com tão grande desenvolvimento técnico e científico, ainda hoje no século XXI, haja quem trate mal os animais de uma forma incompreensível, os gatos são ao contrário dos cães, ainda são uns mal amados por alguns.
Por exemplo, os gatos apesar de se dizer que são irracionais (assim como tudo o que não é homem ou mulher), sabem muito bem como conseguir o que desejam, e quem os conhece, sabe como eles comunicam com os donos.
Quantas vezes estou a falar ao telefone e uma das minhas gatas ao ouvir-me, mesmo estando a dormir, acorda e vem até mim a miar pensando que estou a falar com ela. Por diversas vezes tenho falado sobre a forma distinta de temperamento e esperteza que cada animal, neste caso os gatos, tem uns dos outros.
Eu convivo com três gatas diariamente, sei os hábitos e esperteza de cada uma delas para fazerem o que desejam.
A Tuigy abre todas as janelas e portas desde que não estejam bem trancadas nos, as outras ficam por detrás esperando para usufruírem da fuga (eu chamo a fuga das galinhas).
A Fofinha, todas as manhas, tem de dar a sua voltinha, não sei se irá beber o seu cafézinho, por vezes à noite pretende fazer o mesmo. De manhã, a casa pode estar cheia de gente, porém só a mim é que pede para sair e mais ninguém.
A Tché, gosta de ficar à janela com um pé dentro e outro fora, é muito curiosa, no verão quando temos portas e janelas abertas, nunca sabemos onde está pois o seu passatempo é entrar e sair de casa em grandes correrias, daí a sua alcunha de Parafuso.
Por hoje chega de conversa sobre as minhas “Gatinhas Voadoras”, muitos miaus carinhosos a todos e especialmente a quem ainda não visitei.
Meu pai, tu que me ensinas-te a amar os animais, não te esqueci hoje, espero que todos os gatinhos que tive te estejam a fazer companhia neste dia em que, comemorarias o teu aniversário de nascimento.


Uma oferta para a Turquia com as gatinhas da Orguçatam espero que goste.Clique na imagem para ampliar


"Podemos muito bem perguntar-nos: o que seria do Homem sem os animais? Mas não o contrário: o que seria dos animais sem o Homem?" (Christian Hebbel)

Bom fim de semana
até próxima postagem xinhos
Aldora

sexta-feira, setembro 25, 2009

Doce de Tomate para barrar o pão nas manhãs de Inverno.


Preparação
1.Ao comprar os tomates deverá ter em atenção, que devem de ser bem madurinhos e sãos (não estarem tocados ou com a pele partida).


2.Retire a pele aos tomates, escaldando-os em água a ferver, e de seguida retire-lhes as sementes debaixo de água corrente. (nunca saem todas) e coloque-os num passador para escorrerem.

Depois de limpos o peso dos tomates deverá ser 1 Kilo., para 800 gr de açúcar. Eu fiz 4kg de tomates e coloquei 3 200 kg de açúcar.
3.Num recipiente que possa ir ao lume deite o tomate, o açúcar, a casca do limão e o pau de canela (se gostar poderá pôr também uma vagem de baunilha), mexa tudo muito bem, leve ao lume, deixe ferver lentamente, até criar ponto estrada.




4.Tenha preparados os boiões esterilizados, assim que o doce estiver pronto encha-os. Não deve ficar ar dentro dos boiões e devem ficar bem fechados. Ou de cabeça para baixo até arrefecerem.


Armazene o doce em frascos de vidro esterilizados, tapando-os com uma folha de papel vegetal embebido em aguardente seguido de outro papel vegetal seco. Coloque a data eu fiz as etiquetas no Paint Shop dá outro aspecto estarem bem etiquetados pois os olhos tambéem comem.




não é dificil fazer uma etiqueta bonita .

Este ano fiz por duas vezes este doce mas não vai chegar ao Fim do Inverno pois está muito apetitoso e meu marido come mesmo como sobremesa numa tigelinha.


Espero que gostem e exprimentem a fazer.
Beijinhos Até proxima postagem.

Aqui ficam 6 dos meus gatos lindos cliquem para ampliar.

sábado, setembro 12, 2009

A escada



Cliquem aqui para ver meu outro blog aguardo a vossa visita http://crochedadodo.blogspot.com/


A Escada

(A boneca usei é a Hilda foi criada por Duane Bryers para um calendário, entre os anos de 1950/60 eu sou fã destes desenhos.)


Quanto mais alto se sobe numa escada, mais ela balança.
Não se iluda. A vida é assim mesmo...
Quanto mais sucesso você tiver, quanto mais alto você subir, mais a sua escada balançará.
Ou ela balançará pela altura ou porque os que estão embaixo farão tudo para você cair.
Como essa é a vida, não perca tempo reclamando. Não adianta achar-se perseguido ou injustiçado.O remédio é não dar bola para a torcida e continuar subindo, degrau por degrau, segurando-se como puder e já sabendo que a escada vai balançar.O consolo é que só uma pessoa sobe... O vencedor! Lá embaixo, ficam os perdedores. E eles são muitos. Portanto, opte por subir, por maior que seja o risco da escada balançar. Se você é empresário, arrisque subir. Diferencie sua empresa. Cuide da qualidade. Se você é funcionário ou executivo arrisque subir. Faça tudo com sentimento de fazer, com comprometimento e atenção aos detalhes. Queira subir. Suba! Deixe os outros balançando a escada.
Conheço muita gente que, com medo do balanço da escada, nem tenta! São pessoas que temem o novo! Ficam na mesmice.Não arriscam idéias inovadoras. Desistem mesmo antes de começar. Não tentam buscar um novo cliente, um novo contrato, um novo fornecedor porque acham, de antemão, que não serão recebidos, que não venderão, que não terão sucesso. Concordam para se manter seguras embaixo da escada. Subir na escada pode ser arriscado. Mas, lembre-se que toda grande obra é sempre aos olhos do mundo uma imprudência. Suba! Pense nisso. Onde você está? Em cima ou embaixo da escada?
texto de (AD)
Um abraço
Aldora

domingo, agosto 23, 2009

Quando o medo tem origem no que desconhecemos

O medo empata a vida principalmente quando desconhecemos o perigo






Todos nós, uma vez ou outra, sentimos medo.O medo é um sentimento que aniquila, fragiliza, embota nossos talentos, aprisiona nossa alma e tolhe nossa iniciativa.Qualquer situação desconhecida apresenta duas possibilidades de resultado quando a enfrentamos: ou saímos dela bem-sucedidos ou fracassamos. O medo nada mais é do que a fixação na derrota, a recusa da mente em considerar a possibilidade do bom resultado; a convicção neurótica de que, em hipótese alguma, seremos capazes de superar nossas limitações.E desta forma, muitos dos sonhos que alimentamos permanecem inatingíveis porque não nos permitimos transformar a fantasia em paredes, portas e janelas.Porém, a mudança de atitude é responsabilidade de cada um. Ninguém pode assegurar sucesso, felicidade ou vitórias a ninguém - afinal, o risco sempre existe: podemos tentar e fracassar, apesar de todo o esforço.No entanto, uma pergunta se impõem: o que vale mais - cem anos de segurança, resignação e frustrado ou um minuto de alegria e prazer?Quem não arrisca fica protegido do perigo - mas, enquanto não pulamos o muro do medo, não sabemos o que existe do outro lado.


Tabela tirada da net

terça-feira, julho 28, 2009

Lembranças em E.VA.

Lembranças que fiz para crianças de uma colónia de férias eram 41 e tinha que ser uma lembrança sem ser muito cara. Nelas coloquei gomas dentro estou a partilhar como fiz comprando placas de EVA um material que nunca tinha trabalhado e fiquei fã pudesse fazer muita coisa fiz brinquedos mas foram directos para a colónia não cheguei a fotografar depois da colónia acabar se tiver possibilidade eu coloco.



Material que usei foi:
Placas EVA
molde
tesoura
Furadora vendem barato nas casas chinesas
lápis
Fita de cetim ou cordel bonito o meu tinha fio prateado.
E bonecos autocolantes que vendem nas lojas onde vendem EVA
E um doce de paciência para fazer uma uma cada lembrança com pozinhos de amor junto.